segunda-feira, 26 de maio de 2014

RUNNING D'AVENTURA 2014


Tarja preta para simbolizar a não conclusão dos 42km

FRUSTRAÇÃO! Essa talvez tenha sido a mais comum das sensações entre os participantes que resolveram encarar os 21 e os 42Km da 6ª edição do Running Daventura 2014.

Para um certo grupo de 08 corredores, no qual estive incluído, o vexame beirou o absurdo, culminando com uma absoluta falta de respeito aos atletas e seus familiares.

A prova, que mais uma vez foi realizada na paradisíaca Praia do Forte, este ano contou com 04 distâncias (5, 10, 21 e, pela primeira vez, 42km).

Com a inclusão da Maratona (também inauguraram uma prova Kids) e todo potencial turístico daquele lugar, o RD ganhou sim condição de tornar-se uma prova atraente para corredores de toda parte do Brasil, a exemplo das Maratonas de Búzios (RJ) e Bombinhas (SC), arrastando ainda famílias inteiras como nas provas dos X Terra (e, verdade seja dita, os “maraturistas” apareceram).

Uso a expressão atraente como atleta, pois sabemos que a rentabilidade dos 42k, que contava com apenas 2% de inscritos de um total de 2.500 vagas disponibilizadas (que atingiram o valor de R$ 210,00 reais no último lote de inscrição para qualquer distância), não soe sensibilizar organizadores.

Voltando ao sábado...

Somando a falta de tato no “Congresso Técnico” ( cerimônia de abertura com atraso e demorada, na qual já se denotava pouca preocupação com necessidades básicas dos atletas, como comer e dormir cedo), a detalhes como as mudanças nas regras com o jogo em andamento (apesar de previstos postos de hidratação de 5 em 5km, foi inserido posteriormente no regulamento a obrigatoriedade de levar 1 litro de água), não precisava ser nenhuma mãe Dináh para saber que o negócio, principalmente nos 42km, não sairia às mil maravilhas e, em conversas com os amigos/adversários sempre fiz questão de ressaltar: “Não vamos estressar, correr naquele lugar é mágico e a gente se vira”.

O que tinha em mente, porém, para definir “não sair às mil maravilhas”, estava muito distante do descaso com que fomos tratados, e aqui falo especificamente do grupo de oito corredores (como fico tentado a usar a expressão “palhaços”) deixados à margem da corrida.

Como previsto, o litro de água exigido, que sempre sugeri fosse recomendado, não foi cobrado (quantos de nós investimos na compra de uma camelback e em treinos adaptativos desnecessariamente?).

Fruto de uma luta dos corredores, quando do anúncio por parte da organização que as provas largariam às 8:30 da manhã (estariam adivinhando?), a Maratona e a Meia tiveram suas largadas programadas para horários diferenciados, os 42km às 7:00 e os 21km, às 7:30.

Investindo em comodidade dormi em Praia do Forte e cheguei à arena de largada por volta das 6:30. Na saída da Vila deparei-me com um poste quase tombado na estrada e antevi que aquele fato certamente traria conseqüências ao horário de largada.

Com os amigos Cristiano, Pataro, Chico, Moésio e Rubem - enquanto aguardávamos notícias de quando seria dada a largada
O atraso, em parte tolerável (apesar de achar que todos os 58 maratonistas já se faziam presentes), acabou atingindo também a meia maratona e, somente às 08h25, de forma conjunta, maratonistas e meio-maratonistas foram autorizados a largar.

A partir deste momento as lambanças começaram.

Ávida por cumprir sua meta, a massa de corredores disparou morro abaixo e, não encontrando ninguém da organização para orientá-la, os que vinham na retaguarda seguindo os da frente (que iam inclusive com batedores do lado), acabaram errando o caminho.

Seguindo entre os ponteiros, a maior parte do tempo em 5º lugar, tendo sempre a visão dos primeiros colocados e do motociclista que os comboiava (e que portava um walkie talkie), nenhum de nós se deu conta do erro.

Subindo trilha, descendo trilha, saltando ou se agachando para transpor árvores, logo estávamos em dois blocos de 04.

Tendo sempre por perto o amigo Chico, com quem treinei para esta prova desde meados de março (e que graças a Deus não está mais na minha categoria), meu plano A era manter-me entre os 05 que fariam parte do pódio geral e, no caso de não suportar, partir para o B, que era ficar em 6º e garantir sem sustos o título da Categoria 45/49.

Os primeiros 10km foram atingidos com 48’.

A partir de certa altura começamos a ver placas indicando uma quilometragem maior do que a que nos encontrávamos. No bloco em que seguia todos pensamos que talvez houvessem feito uma mudança para evitar a passagem na Vila por conta do tal poste e que iríamos passar ali novamente mais tarde.

Intrigados, sempre que encontrávamos alguém nos postos de hidratação questionávamos se estávamos no caminho certo. Respostas positivas, seguíamos adiante. Houve inclusive um momento, num lugar mais aberto, em que fomos acompanhados e filmados por pessoas que estavam em um carro aparentemente ligado ao RD.

Com 1 hora e 40 minutos passamos (eu, Chico e o corredor da AD3) a marca da meia-maratona e o atleta da AD3, desejando-nos boa sorte, disse que ia apertar mais um pouco para colar no 4º lugar.

Acreditando que ainda faltava muita prova, Chico e eu optamos por manter o ritmo conservador por mais tempo e deixar para apertar um pouco mais perto do final.

Não faltava.

A desconfiança foi aumentando quando, saindo de uma trilha, deparamo-nos com uma estrada mais larga bem próxima da linha de largada. Inocente, aventei com Chico a hipótese de que talvez a Organização, em função do atraso na largada, tivesse diminuído a distância (que no regulamento constava como aproximadamente 42k) pensando em preservar os mais lentos.

À medida em que nos aproximávamos da largada / chegada essa suspeita aumentava. Era isso ou haveria outro caminho para nos dirigir para o lado da praia, pensávamos.

Estávamos completamente enganados.

Enquanto buscava com olhos esperançosos o tal caminho que nos levaria a completar os 42km, Chico já perguntando indignado ao Tiago Valois se realmente a corrida já estava acabando mesmo e dizendo que estava errado, que deveriam ter avisado para que pudéssemos correr menos cautelosos, ouvi os gritos de Peralva nos incentivando a fazer logo a chegada, acrescentando num tom indignado:
- “Tá tudo errado. Vai, chega logo que tá tudo errado”.

Ainda sem se dar conta do que havia acontecido, de mãos dadas, contando com uma segurada do amigo, em 6º lugar, cruzamos juntos (Chico e eu) a linha de chegada, com 2 horas e 31 minutos.

Apesar da conta ter ficado apenas em 29km, era um jeito de comemorarmos os meses de treinamento junto.

Com Chico ainda reclamando pela diminuição sem aviso da quilometragem (ele com certeza ainda poderia crescer na prova) e eu ainda acreditando que aquilo havia sido pensado em função dos atletas, apanhamos nosso lanche e fui atrás do amigo João Paulo para dar-lhe os parabéns pela vitória com a seguinte frase:
- Não importa se não foram os 42, parabéns pela vitória!

Diante de um olhar que misturava incredulidade com frustração entendi que definitivamente havia mesmo alguma coisa muito errada e somente quando ouvi a palavra relargada é que a ficha começou a cair.

Apesar de finalmente compreender o pedido de desculpas com que fui recebido por Carol, foi muito difícil acreditar de primeira.

Quando se deram conta de que todos haviam passado direto, os organizadores optaram por uma nova largada. Os corredores foram localizados e chamados novamente para a Arena de Largada e tiveram seus chips zerados. Houve atletas do 21k (Edson Barbosa e Edésio), que somente no 7º quilômetro, o qual, por sorte passava novamente na arena, ficaram sabendo do ocorrido e voltaram para relargar. Até aí, apesar da nova falha, tudo bem, mas as coisas que vieram depois parecem mentira:

Incrível 1. Com tanto aparato ninguém nos alcançou para avisar que a largada fora invalidada.

Incrível 2. É óbvio que foram notadas nossas ausências, afinal de contas, entre nós estavam alguns dos nomes (e não me incluo neles) apontados como prováveis vencedores da prova.

Incrível 3. Os familiares, amigos e técnicos dos corredores não resgatados que tentaram impedir a relargada sem nossa presença foram “convencidos” de que, PASMEM, havíamos nos recusado a voltar e desistido da corrida.

Incrível 4. Nós estivemos correndo (pelo menos até a marca da meia-maratona) guiados por uma moto da organização com batedor que levava consigo um rádio-transmissor.

Posso imaginar a confusão que se formou e a pressão para que a corrida se reiniciasse o mais rápido possível, algo que só aconteceria por volta de 1 hora depois, mas é inconcebível que nos tenham cerceado o direito de participação na prova, até porque, apesar de ser uma corrida de trilha (e mesmo considerando que eram cenográficos os rádios portados por várias pessoas da organização) em vários momentos saíamos em trechos rapidamente acessíveis para quem fosse de automóvel.

Os absurdos citados acima (mesmo a falsa afirmação de que nos recusamos a relargar), acreditem, consigo até entender de que forma foram se enredando, e lá mesmo no recinto tentei ao máximo levar os desafortunados e indignados colegas ao sentimento de resignação, de “deixa pra lá”, de “não vale a pena se chatear”.

Entretanto, a coisa que mais me incomodou e, por mais que pense, por mais que tente ainda não tive a capacidade de encontrar justificativa, foi o descaso com que fomos tratados, deixados feito bobos “competindo entre si” por 29km, (no meu caso, 2 horas e meia de “prova”), sem que ninguém tentasse nos localizar no percurso (ainda bem que, graças a Deus, não precisamos de socorro) e sem merecer, nem mesmo no momento de nossa chegada, uma comunicação oficial da nossa desclassificação (Incrível 5).

Voltando à corrida.

Após digerir um pouco a frustração inicial restou-me ir ao desértico portal de chegada do 42km oficial esperar e torcer pela chegada dos guerreiros que conseguiram superar o baque psicológico do atraso e da relargada.

Valeu a pena a espera. Com pouco menos de 5 horas de prova (às 14:30) Rubem, na 5ª posição, completava o pódio geral. Alguns minutos depois chegavam Cristiano e Pataro, respectivamente 6º e 7º colocados na prova e vencedores de suas respectivas categorias.
Os Organizadores no Pódio Geral Masculino com o amigo Rubem em 5º lugar

Por maiores que tenham sido os erros acontecidos nesta edição (este post não teve intenção de elencá-los), acredito ser possível uma redenção no próximo ano, adoro correr naquelas trilhas, foi através do RD que as conheci e torço para que a Organização dê a volta por cima. Eu, porém, já tenho a minha escolha.


Boa semana!

34 comentários:

  1. Indignada.. Solidariedade a todos os atletas que passaram por essa lamentável situação e em especial a você pois sei o quanto é apaixonado por esse esporte e o quanto se dedica não so em ter um bom desempenho mais também em nos ajudar a alcançar nossos objetivos em cada prova que participamos, mas tenho certeza que esse ocorrido já se faz pequeno para o atleta maravilhoso que você é! Forte abraço da amiga Lu Bastos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu, Lu.
      Agora é pensar na próxima..e não se esqueça de nosso treino na Serra da Jiboia no dia 07/08 de junho.
      Abraços!

      Excluir
  2. Amigo, ocorreram contatempos, mas continuo acreditando nesta prova e nos organizadores. Fiquei sentido por voces, e nem consigo imaginar o que voces passarm, eu conseguir relargar.
    Vamos para frente e até a RD2015

    Bruno Fraga

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bruno,
      Enfrentar atraso e relargada e ainda cumpri todo o percurso não foi tarefa nada fácil. Parabéns. Sempre reputei a RD como a melhor prova baiana e acho que estes erros poderão servir para alguma coisa no futuro, entretanto como este ano deixei de fazer, em função da RD, uma outra prova que gosto muito e faço há anos (Maratona de Porto Alegre) provavelmente irei aguardar um pouco mas para retornar ao Running Daventura.

      Excluir
  3. Muito Triste, Desagradável e Frustante! Eu sou um dos cerca de 10 ou 12 "corredores que estavam na Mata correndo e sendo acompanhados pelos batedores, equipe de filmagem e que finalizou a prova com 29 km". O mais desolador foi ouvir uma frase, quando busquei falar com a senhora que coordenou a largada e disse a ela que esse erro da organização da prova era frustrante para mim e vários Corredores, ela me disse: desculpe! Essa frustração vai passar. Achei um desrespeito e uma desconsideração com o esforço e a dedicação de quem foi lá para participar de uma festa e dar o melhor de si. "A Frustração Ainda Não Passou!". Regis Leal

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Regis,
      Lá dentro jamais poderíamos imaginar o que estava acontecendo.
      Pensando depois fiquei sinceramente preocupado com a segurança já que nós que estávamos correndo em blocos e próximos a tanta pessoa da organização não pudemos ser localizados.
      Mas que passou já não se resolve mais. "remediado está". Bola pra frente e estamos contando com você no treino da Serra da Jiboia nos dias 08 de junho.

      Excluir
  4. Já havia conversado contigo particularmente e sabe de tudo que penso a respeito. Foi triste sim e lamentável o ocorrido. Por isso não deixei de parabenizá-lo, embora achasse que vocês de fato tinha concluído. Só sabendo do não encontro e retorno naquele nosso encontro final. Soube de você e de fato entristeceu. É uma frustração grande e tens toda razão de assim sentir-se, não só pela dedicação que teve, mas todo remanejamento que é chegar a uma prova desta tão bem preparado.

    Sabemos do exemplo de competidor, de atleta que você é, por isso tenho total respeito Roberto a tua indignação. Assistimos teu esforço, mas achei muito bonito como já disse sua maneira de agir. Teu comportamento mesmo com todo o desenrolar dos fatos. Da tua maturidade. Podia ter agido de maneira pior,quem não age numa situação destas, mas quando te encontrei mesmo com o rosto de frustrado vi um equilíbrio. Ainda quando tentava nos explicar sobre o ocorrido, que a gente nem sequer sabia, por que estava no fundo.

    O que ficamos sabendo foi através dos comentários pelos amigos e corredores de fora da confusão que tinha sido lá na frente. De quererem impedir a nova largada. Comentários tristes. Mas acredito que todos tiveram seus reais motivos, direitos e enfim que sirva de aprendizado a todos nós. Que uma hora a coisa pode sair do controle. Lembra do erro de batedores na Meia da Caixa? Ao meu ver ali foi um dano enorme para Giomar que ganhou a prova. O resultado da prova não pode ter sido homologado oficialmente por conta de só ter registrado 18,2km da meia.
    Nenhum erro justifica nenhum.

    Fica a frustração, mas vamos levantar a cabeça e fortalecer uma prova que é nossa. Desconheço outras organizadoras em Salvador que façam um trabalho tão bonito como o deles. Somos pobres em organizadoras próprias infelizmente. Que este aprendizado ajude nos a crescer, acho que destes erros todos nós aprendemos. Nossa eu aprendi muito em dois dias de repercussões destes fatos na redes e todos os lugares....

    Enfim não vou me estender. Parabéns Roberto pelo relato, pela sinceridade e pela maneira de agir. Você sabe do meu carinho com esta prova, sabe como gosto da trilha e tudo mais.... tal qual não excluo os bons momentos que tive nas 3 Daventuras anteriores. Sendo esta minha quarta.

    Grande abraço e bola para frente querido. Tenha certeza que novos pódios, novas competições e provas ainda melhores virão para todos nós

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dart,
      Minha tristeza maior não foi ocasionada pelo possível pódio e sim pelo descaso. A ideia jamais seria agredir ou denegrir a prova ou seus organizadores. Este post foi só uma constatação das coisas que aconteceram, especialmente comigo, neste ano, como de resto foram todos os relatos das edições anteriores.
      Abraço!

      Excluir
    2. Percebe-se isso Roberto, como disse o seu post foi um dos mais educados que li e que de fato li por inteiro. Sei do cara que é, da sua humildade e do teu potencial. Por isso percebe-se que sua intenção não foi esta e esta expressa no texto.

      Abraço

      Excluir
  5. Roberto boa noite correr provas em trilhas é bom demais, mas cobrar um preço de inscrição a 210 reais e cobrar do atleta que leve 1 litro dágua, dar a largada da prova e depois de vcs correrem vários Kms e depois a organização verificar que houve erro e dar uma nova largada isso é lamentável, não estou acreditando nisso que vc e outros atletas treinaram pacas correram pacas e depois tiveram uma nova largada isso é burrice da organização e olha que não é a primeira prova que eles realizaram nesse lugar...O ideal e todos que se sentiram frustrados cobrarem da organização pq nunca vi isso...Bom espero que se tiver outra edição dessa prova que seja corrigido os erros...Roberto mesmo tendo todos esse contratempos vc está de parabéns e não abaixe a cabeça siga em frente...

    Bons treinos,

    Jorge Cerqueira
    www.jmaratona.com

    ResponderExcluir
  6. Jorge,
    O pior do lance da água é que foi inserido no regulamento com o "jogo em andamento" e além de causar um nó na cabeça da galera que por andar mais rápido não teria necessidade de conduzir essa água (já que tinham prometido postos de 5 em 5 km) como imaginei no final não foi cobrado. Bola fora.
    Espero que já esteja recuperando para encararmos juntos quem sabe uma destas edições do X TERRA.
    Abração!

    ResponderExcluir
  7. Lamentavel situação é uma pena... Vamos seguir pra frente!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. BMS,
      Lamentável mas estou certo que servirá para no futuro. Então bola pra frente!

      Excluir
  8. João Paulo Leite26 de maio de 2014 23:30

    Parabéns Roberto!
    Como sempre conseguindo expressar o que realmente existiu. Ainda estou na mistura de sentimentos e pensamentos.
    Vamos para o próximo objetivo.
    Abraços e obrigado por todo apoio.

    ResponderExcluir
  9. JP,
    Sabe o que tava pensando ? Ainda bem que Tia Lala e Márcia esposa de Chico) não estavam lá... pelo que conheço das duas e o que vi de Ângela o caso ia parar na polícia..rs.
    Farei o possível para que nossas planilhas se coincidam para o próximo objetivo.
    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. João Paulo Leite27 de maio de 2014 11:00

      Roberto, converse com Peralva a respeito dos treinos, sempre muito bom ter a sua presença nos treinos e provas, sem contar com as resenhas. rsrs
      Abraços

      Excluir
  10. Excelente texto, extremamente equilibrado e esclarecedor. Continuo me solidarizando com todos que foram prejudicados pela "organização" de uma prova de tal quilate numa demonstração de total desrespeito e descaso para com atletas que têm a responsabilidade de saber o que foram fazer ali. Maratona não é pra qualquer um. Agora me criaram a " Maratona Alternativa"... prefiro rir, melhor do que chorar. Parabéns Roberto, você é referência e orgulho para qualquer atleta baiano que se preze. Outros desafios virão e logo tudo isso será passado. Fiz muito bem de lá não ter ido.

    ResponderExcluir
  11. Sandra,
    Obrigado pelas elogios. Seu sobrinho tá voando e tinha tudo para deixar lá uma grande marca. Aliás até já comentamos (JP e eu) que o trajeto de 29 é uma excelente opção que "criamos" para quem sabe uma futura edição do RD.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  12. Pois é, pelo menos algo positivo de todo esse transtorno. Matheus não quis ir, falei com ele antes. Eu não sou muito afeita a este tipo de prova, já fiz aí duas vezes. Basta a ultramaratona de Curitiba em Almirante Tamandare que é desse jeito. A gente termina com lama até no olho...rs Abração.

    ResponderExcluir
  13. Lamentável todo o ocorrido e quanto mais edições da RD a tendência seria de ser mais organizada. Fico sentido por todos, mas principalmente por aqueles que tinham objetivos maiores. No meu caso especifico corri os 21 k ou melhor até os 15 k onde o restante já incomodado câimbras foi no trote e caminhadas e sempre seguindo o meu alvo que foi de completar a prova e felizmente consegui. A RD é uma corrida diferente e ano que vem estarei presente com a expectativas de uma melhor organização. Na minha opinião mesmo sem saber detalhes da organização, o meu sentimento é de que há muito centralização dos organizadores. Não sei como funciona esse tipo de corrida por ai a fora, mas ajuda externa competente será bem vinda. Imagina, se eles não conseguiram localizar corredores que largaram mais a frente, imagina se houvesse a necessidade de um resgate.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Samuel
      Sinceramente não faço tanta distinção entre objetivos, competição, superaçãio, diversão todos são válidos e é o que proporciona a existência destes ricos encontros que existem em nosso esporte.
      Quanto a corrida, sempre a reputei como melhor de nosso Estado (claro que aí está também o prazer que sinto em provas deste gênero) e única do tipo também. As decisões foram ao meu ver equivocadas mas jamais enxerguei nos organizadores má-fé.

      Excluir
  14. Meu brother, ouvi a história de João Paulo a noite de Sábado, quase em lágrimas todos. Agora a sua e sinto o mesmo, meu velho. Vou te mencionar no meu blog também. Parece mentira mesmo, meu velho. Show de amadorismo. Colocaram o chapéu onde a mão não alcançava: maratona é coisa séria. Triste demais por vocês... Passei por maus bocados, repensei se valeria a pena continuar nesse sofrimento que é treinar por performance para querer abandonar uma prova no km 10, mas ter de continuar por não ver paramédicos ou o escambau que fosse por muitos dos kms seguintes. Foi a medalha menos gostosa que ganhei, acho que nem sorri na chegada. Decepcionante e duvido que até para torcer eu volte lá.

    Finalmente, boa volta por cima a vocês, que merecem muito mais respeito que aquilo tudo e muito mais que o ridículo ressarcimento e reconhecimento por campeões de uma maratona de 29km. Vocês são maiores que isso e recobrarão seus orgulhos feridos e espírito esportivo subestimado e denegrido pelos locutores naquele dia.

    ResponderExcluir
  15. Puxa que pena o ocorrido, principalmente para quem treinou bastante,ninguém paga a frustação que vcs sofreram.
    Mas fica a experiência para que da próxima vez eles se organizem melhor.
    Rosana

    ResponderExcluir
  16. Hostil,
    Obrigado por se solidarizar com nosso perrengue. Imagino o quão difícil deve ter sido pra você querer abandonar e não conseguir. Acredito que estes erros serão capazes de levar crescimento aos organizadores (os erros sempre nos ensinam) e também como alerta para, se Deus quiser, edições vindouras.

    ResponderExcluir
  17. Mega, Com tudo isso que aonteceu ainda parabenizo a todos vcs que correram os 29 Km! Seu relato é muito claro, retratando todo sentimento e frustação. Os erros acontecem, porém temos que reconhece-los, para a partir daí melhorar e fazer melhor. A RD, para mim , tem tudo para ser a melhor prova da Bahia, mas a organização precisa ouvir as pessoas que correm provas longas por esse Brasil a fora. Principalmente você.
    Grande abraço
    Pataro

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Super Patarão!
      Você e todos os que lá estiveram e conseguiram superar o atraso e a relargada e ainda completar a prova é que realmente está de Parabéns. Torço pela prova também, vc sabe disso. Parabéns também pelo trofeu da categoria que, para variar, vc não aguardou para pegar.... que moleque apressado..rs
      Abraços!

      Excluir
  18. Roberto, A cada post que leio do pessoal que se aventurou nos 42 e 21km fico triste com o que aconteceu. Vocês foram uns guerreiros. Parabéns pelo post. Foi esclarecedor. Espero que a organização tenha aprendido com os erros. Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rebeca,
      Obrigado pelas palavras. Esperamos o mesmo.
      Abraços!

      Excluir
  19. Campeão,
    Pôxa, só agora li o seu post! Torcedor que sou pela existência de mais uma maratona em nossa cidade, cheguei a ser tolerante com a organização, em comentário que fiz em uma postagem de Dart no Facebook. Mas, mesmo admitindo que imprevistos acontecem, houve muito mais coisa além do problema com o poste. Que pena, pois como você mesmo diz, essa prova tem tudo para ser uma das mais interessantes do norte/nordeste. Eu não estava lá, mas como sei o quanto você é criterioso em seus julgamentos, concordo inteiramente com suas colocações, sem no entanto dizer aos organizadores que não desistam, que aprendam com os erros e que no próximo ano recompensem efetivamente os atletas prejudicados, concedendo descontos significativos e até isenção nas inscrições.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amâncio,
      Já estou pensando na próxima e ainda não desisti de levar você para nosso treino-festa na Serra da Jiboia.
      Abração!

      Excluir
  20. Roberto, ainda não foi relatado o riscos que os corredores correram ao passar, entre o km 04 e km 05, ao sair da Vila, na igreja, no paredão com a água do mar acima da cintura, por causa do atraso, pois a maré subiu muito. Não tinha ninguém para ajudar e quem não sabia nadar teve que desistir de prosseguir, pois eram aproximadamente 100m sem saber onde estava pisando. Eu tive que passar puxando uma corredora que não tinha coragem de passar. Fiz os 21k.
    Um Abraço.
    Genival Dantas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Genival,
      Vi depois imagens desta travessia, estava mesmo assustadora.
      Abraços!
      Roberto

      Excluir
  21. Tudo muito bem relatado, Roberto. Entendo a sua indignação. Eu que esperava largar às 7:30h nos 21k só fui largar às 9:30h. Não foi fácil. O pior é que completei a prova e nem sei qual o meu tempo oficial, pois meu nome não aparece nos resultados divulgados. E que eu completei a prova, completei. Só eu sei o esforço que fiz. Vamos em frente.

    Moésio

    ResponderExcluir
  22. Moésio,
    Fui um incentivador de sua participação no 21. Foi uma pena que estreasse logo este ano com toda aquela confusão. Tenho certeza que apesar de tudo serviu para aumentar sua auto-confiança pois sei que não foi fácil concluir esta meia.
    Manda um email aos Organizadores para saber o que aconteceu com seu nome que não saiu.
    Abraços!

    ResponderExcluir